Thursday, May 31, 2007

Mortality and morbidity from coronary heart disease attributable to passive smoking

Mortality and morbidity from coronary heart disease attributable to passive smoking
Jan Heidrich, Jürgen Wellmann, Peter U. Heuschmann, Klaus Kraywinkel and Ulrich Keil*
Institute of Epidemiology and Social Medicine, University of Münster, Germany

Received 20 October 2006; revised 14 March 2007; accepted 5 April 2007.

* Corresponding author: Tel: +49 251 8355396/7; fax: +49 251 8355300. E-mail address: keilu@uni-muenster.de


Aims: Passive smoking is associated with increased risk of coronary heart disease (CHD). This study estimates CHD mortality and morbidity attributable to passive smoking in Germany and demonstrates variations in the number of estimated deaths depending on underlying assumptions.

Methods and results: Prevalence of passive smoking from the German National Health Survey, CHD deaths from national mortality statistics, number of incident CHD cases, and relative risks from meta-analyses were used to estimate mortality and morbidity from passive smoking applying the concept of population attributable risk. Sensitivity analyses were carried out to investigate the impact of different assumptions in terms of exposure definition, relative risk, and population at risk on estimated mortality. Exposure to environmental tobacco smoke (ETS) at home accounts for 2148 [approximate 95% confidence interval (CI) 1471–2736] deaths from CHD and 3776 (95% CI 2588–4800) incident CHD cases among non-smokers every year in Germany. In sensitivity analyses, consideration of exposure to ETS at work and at any location yielded 2597 (95% CI 1784–3295) and 8970 (95% CI 6252–11 243) attributable CHD deaths, respectively. Applying different populations at risk showed a range of 1174 (95% CI 803–1494) to 13 792 (95% CI 9655–17 225) attributable deaths from CHD.

Conclusion: The estimated burden of passive smoking heavily depends on the definition of underlying parameters. Using an evidence-based approach reveals a substantial burden of passive smoking in terms of CHD mortality and morbidity reflected by six CHD deaths and 10 incident CHD cases every day in Germany.

Monday, May 28, 2007

Treatment of Hypertension in the Prevention and Management of Ischemic Heart Disease: A Scientific Statement From the American Heart Association Council for High Blood Pressure Research and the Councils on Clinical Cardiology and Epidemiology and Preven

Treatment of Hypertension in the Prevention and Management of Ischemic Heart Disease: A Scientific Statement From the American Heart Association Council for High Blood Pressure Research and the Councils on Clinical Cardiology and Epidemiology and Preven: "Treatment of Hypertension in the Prevention and Management of Ischemic Heart Disease
A Scientific Statement From the American Heart Association Council for High Blood Pressure Research and the Councils on Clinical Cardiology and Epidemiology and Prevention
Clive Rosendorff, MD, PhD, FAHA, Chair; Henry R. Black, MD; Christopher P. Cannon, MD, FAHA; Bernard J. Gersh, MB ChB, DPhil, FAHA; Joel Gore, MD, FAHA; Joseph L. Izzo, Jr, MD; Norman M. Kaplan, MD; Christopher M. O’Connor, MD, FAHA; Patrick T. O’Gara, MD, FAHA; Suzanne Oparil, MD, FAHA

Key Words: AHA Scientific Statements • hypertension • coronary disease • angina • myocardial infarction • heart failure • heart diseases"

Sunday, May 27, 2007

AVANDIA e o Blog do Paulo Lotufo

Blog do Paulo Lotufo
Blog do Paulo Lotufo
Era para ter publicado já algo sobre o "affaire" AVANDIA. Demorei porque estava esperando "sentar um pouco a poeira" e provavelmente também por ser usuário da droga, mas o tema remete a vários outros muito importantes: a droga como tal e suas vantagens e potenciais riscos, o conceito de risco, conflito de interesses, pesquisa e política industrial, comunicação, etc....
Reginaldo chamou atenção para o Blog do Paulo Lotufo que deve ser visitado por este e outros motivos. Assim evitamos também postagens cruzadas...
De: Reginaldo Albuquerque [mailto:reginaldo.albuquerque@gmail.com]
Enviada em: domingo, 27 de maio de 2007 10:20
Assunto: Caso Avandia como visto por Paulo Lotufo

Friday, May 25, 2007

Screening men aged over 65 for abdominal aortic aneurysms could save lives -- Mayor 334 (7603): 1077 -- BMJ

Screening men aged over 65 for abdominal aortic aneurysms could save lives -- Mayor 334 (7603): 1077 -- BMJ: "Screening men aged over 65 for abdominal aortic aneurysms could save lives
Susan Mayor
London
Ultrasound screening of men aged 65 to 79 for abdominal aortic aneurysms significantly reduces the number of men who die from the condition, a systematic review has concluded.
The review of trials that evaluated screening says that between 5% and 10% of men in this age group have abdominal aortic aneurysms of which they are unaware (Cochrane Database of Systematic Reviews 2007;(2):CD002945).
Rupture of these aneurysms carries a very high risk of death. Screening by abdominal ultrasonography can detect these aneurysms, many of which can be treated with surgery.
In its review the Cochrane peripheral vascular diseases group searched its trials register for randomised controlled trials of population screening for abdominal aortic aneurysms. They found four studies, conducted in the United Kingdom, Denmark, and Australia and involving 127 891 men and 9342 women. (Only one of the studies included women.) /.../"

Thursday, May 24, 2007

[2354 - AMICOR10 - 24/05/2007]

[2354 - AMICOR10 - 24/05/2007] http://www.bloglines.com/public/Achutti
Caríssimos AMICOR,
Mais uma vez gostaria de agradecer aos membros da lista (a seguir) que se manifestaram expressando interesse em continuar recebendo as mensagens de alerta semanal, lembrando aos demais que os manterei na lista até o fim de junho, dando tempo para manifestar seu interesse.
O Blog AMICOR básico (http://amicor.blogspot.com) deverá continuar ativo, com a lista de outros especializados no menu da direita que poderão ser visitados a qualquer momento, bem como tudo o que foi publicado desde agosto de 2005. Para buscar por assunto é só utilizar a caixa de diálogo situada no topo do lado E e digitar palavras chave, maneira de buscar tudo o que está nos arquivos.
Entre vários assuntos publicados desde a última postagem chamo atenção para a linha de discussão sobre "Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR" que pode ser facilmente recuperada da forma acima enunciada.
Também chamo atenção para a nota de falecimento do Professor Luiz Venère Decourt, recentemente ocorrido.
Mais ainda para a publicação da OMS sobre Estatísticas de Saúde 2007, cuja referência está no AMICOR_Preserve:
http://amicor_preserve.blogspot.com/2007/05/world-health-statistics-2007.html

Manifestaram interesse em continuar na lista AMICOR10:
Alberto C. Duque, Aloyzio Achutti, Ana Menezes, Blau Souza, Bruce B. Duncan, Carisi Polanczyk, Carlos Alberto Machado, Carlos H. Klein, Cesar G Victora, Claudia Caminha Escosteguy, Claudio A. Bandeira Medina, Catherine Coleman, Darcy Lima, Denis Martinez, Kleber Gaspar, Alejandro Wajner, Eduardo A Costa, Éffrem Maranhão, Emilio Moriguchi, Fernando Lucchese, Flavio Danni Fuchs, Gilberto Brodt, Gilson Feitosa, Giuseppe Repetto, Gláucia M. Oliveira, Helder Reis, Ines Lessa, Isaac Roitman, Isabela Giuliano, Izabella Rohlfs, Jaqueline Scholz Issa, Jefferson Fernandes, João Carlos F. Braga, João Giongo, Jorge Dable, Jorge Ossanai, José Miguel Chatkin, Juliana Nunes, Leopoldo Soares Piegas, Luis Paulo Melione, Lucia Pellanda, Luciano Loos, Luiz Carlos Corrêa da Silva, Luiz Scala, Manoel A. P. P. Albuquerque, Marcelo Gustavo Colominas, Margarita Diaz, Maria Inês Azambuja, Mario Becker, Mario F. C. Maranhão, Moacyr Saffer, Montezuma Ferreira, Orlando C. B. Wender, Patrícia Pereira Ruschel, Paulo Cesar Jardim, Paulo Henkin, Paulo Opitz, Paulo Roberto Prates, Reginaldo Albuquerque, Romero Bezerra, Romildo Andrade, Rosa Maria Sampaio Vilanova de Carvalho, Salvador Serra, Sandra C. Fuchs, Sergio Luiz Bassanesi, Sergio V. Perrone, Silvia Maria Cury Ismael, Telmo Bonamigo, Timóteo Leandro de Araújo, Ueli Grüninger, Valderês Robinson Achutti.

Guidelines for the Early Management of Adults With Ischemic Stroke

A Guideline From the American Heart Association/American Stroke Association Stroke Council, Clinical Cardiology Council, Cardiovascular Radiology and Intervention Council, and the Atherosclerotic Peripheral Vascular Disease and Quality of Care Outcomes in Research Interdisciplinary Working Groups: The American Academy of Neurology affirms the value of his guideline as an educational tool for neurologists. Harold P. Adams, Jr, MD, FAHA, Chair, et al.
Purpose— Our goal is to provide an overview of the current evidence about components of the evaluation and treatment of adults with acute ischemic stroke. The intended audience is physicians and other emergency healthcare providers who treat patients within the first 48 hours after stroke. In addition, information for healthcare policy makers is included.
Methods— Members of the panel were appointed by the American Heart Association Stroke Council’s Scientific Statement Oversight Committee and represented different areas of expertise. The panel reviewed the relevant literature with an emphasis on reports published since 2003 and used the American Heart Association Stroke Council’s Levels of Evidence grading algorithm to rate the evidence and to make recommendations. After approval of the statement by the panel, it underwent peer review and approval by the American Heart Association Science Advisory and Coordinating Committee. It is intended that this guideline be fully updated in 3 years.
Results— Management of patients with acute ischemic stroke remains multifaceted and includes several aspects of care that have not been tested in clinical trials. This statement includes recommendations for management from the first contact by emergency medical services personnel through initial admission to the hospital. Intravenous administration of recombinant tissue plasminogen activator remains the most beneficial proven intervention for emergency treatment of stroke. Several interventions, including intra-arterial administration of thrombolytic agents and mechanical interventions, show promise. Because many of the recommendations are based on limited data, additional research on treatment of acute ischemic stroke is needed.

Wednesday, May 23, 2007

Da Espanha a AMICOR Izabella Rohlfs envia sua contribuição para a discussão buscando explicações para as diferenças nas tendências na mortalidade regional por DCV no BR.
Os arquivos que ela enviou estarão disponíveis em forma zipada no seguinte endereço:
http://senduit.com/edfddd
Depois do dia 29 próximo quem quizer os arquivos poderá me enviar uma mensagem solicitando.

De: Izabella Rohlfs [mailto:izabella.rohlfs@udg.edu]
Enviada em: quarta-feira, 23 de maio de 2007 17:13
Para: aloyzio.achutti@terra.com.br
Assunto: Re: Re 2: [2350 - AMICOR10 - 20/05/2007] Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR
Prioridade: Alta

Prezado Dr. Achutti,

Recentemente foi publicado um atlas de variações na pratica clinica em doenças cardiovasculares na Espanha, que eu tive a oportunidade de escrever um artigo. Creio que é uma bibliografia interessante e não facilmente disponível e que pode ser pertinente no atual contexto dos debates do AMICOR.
Envio-te a publicação em 3 arquivos, para que você avalie si é interessante difundir-la entre os colegas do AMICOR.
Saudações cordiais,
Izabella Rohlfs
Foram zipados e estão disponíveis no endereço abaixo:
http://senduit.com/edfddd

Luiz Venère Decourt: Faleceu

Nota de Falecimento
Comunicamos, com imenso pesar, o falecimento do nosso eminente professor
Luiz Décourt.
Décourt foi um exemplo de integridade, sabedoria e amor ao próximo. Foi sem dúvida o clínico de maior influência nas últimas décadas na Cardiologia. Um didata com excepcionais dons de comunicação, que deixa imenso número de discípulos.
Um líder que não pode jamais ser esquecido.
Saudações,
Prof. Protásio Lemos da Luz
Diretor Divisão de Cardiologia Clínica InCor – HC.FMUSP

Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR

Pergunta do Diretor do Laboratório Farmacêutico Nacional (também padrinho AMICOR)
relacionado com a linha de discussão em pauta.

De: Eduardo A Costa [mailto:eduacosta@terra.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 21 de maio de 2007 22:54
Assunto: Re: [2350 - AMICOR10 - 20/05/2007] Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR

Prezados AMICOR,

Romildo e Maria Ines afirmam que o SUS não distruibui estatinas, mas que seriam amplamente utilizadas nos palnos etc. Na farmácia popular são vendidas a baixo preço.
Farmanguinhos está concluindo a documentação para poder produzir a simvastatina. Pergunto: haveria vantagens reais de produzirmos outras estatinas?
Abraços
Eduardo
Farmanguinhos

Tuesday, May 22, 2007

Sleep apnea may increase the mortality risk 40%

SAN FRANCISCO, May 21 -- Sleep apnea may increase the risk of heart disease and mortality risk 40%, researchers said here.
That's the equivalent of having a previous heart attack, said Neomi Shah, M.D., of Yale University, and colleagues at the American Thoracic Society meeting.
"The magnitude of this risk is clinically important," Dr. Shah said.

Monday, May 21, 2007

Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR




De: Maria Inês Reinert Azambuja [mailto:miazambuja@terra.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 21 de maio de 2007 00:03
Assunto:
Re: [2350 - AMICOR10 - 20/05/2007]


Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR
Caros AMICOR,
Esta é uma provocação que eu não poderia deixar passar mesmo!
O documento do Ministério da Saúde http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/saude_brasil_2005.pdf tem um capítulo sobre tendencias na mortalidade por doenças não transmissíveis (capítulo 10), que mostra exatamente o que diz o Dr. Romildo Andrade: queda significativa na mortalidade (figuras anexas), especialmente nas regiões sudeste e sul, que tradicionalmente tinham os índices mais elevados e mais bem documentados. E tendencias inconsistentes nas regiões norte e nordeste, que tradicionalmente tinham muito subregistro como diz a Ines, e não sei como estão hoje.
Outro dado que pode ser surpreendente é que no Brasil o AVC tem taxa de mortalidade semelhante a da doença isquemica do coração, um dado muito diferente do dado norte-americano, e acho que também pouco divulgado por aqui.
A primeira questão então é, por que não se sabe disto no Brasil? Por que a surpresa de quase todo mundo quando se diz que a mortalidade por doenças cardiovasculares está caindo há muitos anos no país, como está caindo, aliás, em todo o mundo?
Possivelmente porque não é isto o que dizem as agencias internacionais e todos os artigos internacionais voltados a projetar a morbimortalidade no terceiro mundo nos próximos anos. A mensagem veiculada por todos é a de uma esperada “migração” da epidemia de doenças cardiovasculares - que teve seu ápice na década de 60 nos EUA e um pouco depois na Europa - para o “sul”, a medida que nossos países assumam os estilos de vida do norte e nossas populações envelheçam.
O interessante é que a evidência empírica de declínio na mortalidade também aqui não tem o poder de mudar o diagnóstico das agências internacionais, e nem sua prescrição: mudar os sistemas de saúde dos nossos países para privilegiar o tratamento das doenças cronicas, e identificar e tratar precocemente os indivíduos sob risco para reduzir/controlar a esperada epidemia. Já publiquei um comentário sobre isto no PROCOR em 2004, mas nunca consegui publicar coisa semelhante em nenhuma revista internacional.
Agora tentando responder à questão levantada. Por que está caindo? A minha explicação exige que reconsideremos tudo o que aprendemos sobre doença isquemica do coração. Desde 1994 tenho tentado discutir uma hipótese que associa a epidemia de DIC do século XX à Pandemia de Influenza de 1918. Tanto a hipercolesterolemia como à trombose e morte súbita associadas à DIC nas décadas de 50 e 60 seriam respostas imunopatológicas associadas à infecções recorrentes por influenza em sobreviventes vulneráveis marcados pela Pandemia de 1918 (aqueles que tinham 20-40 anos em 1918 e responderam por 2/3 dos óbitos durante a Pandemia). - A idéia é muito semelhante à da progressão da cardiopatia reumática associada à re-infecções por estreptococo. A redução dos óbitos teria acompanhado a eliminação daquelas coortes marcadas da população. Os casos de DIC hoje, como os que ocorriam antes de 1920, representam outra doença, associada à resistência à insulina, com manifestações clínicas e anátomo-patológicas diferentes daquelas que predominavam em 1960 (especialmente a hipercolesterolemia e a mote súbita).
As implicacões desta hipótese são muito grandes para os nossos países. Se a hipótese é correta, não haverá migração da epidemia de DCV para o terceiro mundo como predito pelas agencias internacionais. Parece-me que os dados brasileiros tendem a corroborá-la.
Acabo de publicar um artigo extenso sobre isto, com a colaboração do professor Richard Levins, de Harvard, na Perspectives in Biology and Medicine. Tenho tido alguns retornos bem interessantes. Vamos ver o que acontece. Posso enviar cópia do artigo aos interessados.
Um abraço,
Maria Inês Azambuja
UFRGS-Porto Alegre


Sunday, May 20, 2007

Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR

A propósito de estudos em andamento sobre discriminação da mortalidade por DCV em Porto Alegre, Maria Inês traz referência, remetendo à determinação socio-ec0nômica a desigualdade na mortalidade por DCV no Brasil, o que deve se reproduzir dentro da matriz geográfica (regional) e na tendência (quando se acrescenta a matriz temporal).

De: Maria Inês Reinert Azambuja [mailto:miazambuja@terra.com.br]
Enviada em: domingo, 20 de maio de 2007 22:01
Para: Sergio Luiz Bassanesi
Cc: aloyzio.achutti@terra.com.br
http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n4/19.pdf

Rev Saúde Pública 2006;40(4):684-91
Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil
Socioeconomic inequalities and premature mortality due to cardiovascular diseases in Brazil


Lenice Harumi Ishitani, Glaura da Conceição Franco, Ignez Helena Oliva Perpétuo, Elisabeth França

OBJETIVO: Investigar associação entre alguns indicadores de nível socioeconômico e mortalidade de adultos por doenças cardiovasculares no Brasil.
MÉTODOS: Foram analisados os óbitos de adultos (35 a 64 anos), ocorridos entre 1999 a 2001, por doenças cardiovasculares, e pelos subgrupos das doenças isquêmicas do coração e doenças cerebrovasculares-hipertensivas, obtidos no Sistema de Informação sobre Mortalidade. Foram selecionados para análise 98 municípios brasileiros, com melhor qualidade de informação. Para analisar a associação entre indicadores socioeconômicos e a mortalidade por doenças cardiovasculares, foi utilizada a regressão linear simples e múltipla.
RESULTADOS: Na análise univariada, verificou-se associação negativa para a mortalidade por doenças cardiovasculares e o subgrupo das cerebrovasculareshipertensivas com renda e escolaridade, e associação direta com taxa de pobreza e condições precárias de moradia. Quanto às doenças isquêmicas, houve associação inversa com taxa de pobreza e escolaridade, e direta com condições precárias de moradia. A escolaridade, após ajuste pelo modelo de regressão linear múltipla, permaneceu associada à mortalidade pela doença investigada e seus subgrupos. A
cada ponto percentual de aumento na proporção de adultos com alta escolaridade, a taxa de mortalidade por doenças cardiovasculares diminui em 3,25 por 100.000 habitantes.
CONCLUSÕES: A análise da mortalidade dos municípios mostrou que a associação entre doenças cardiovasculares e fatores socioeconômicos é inversa, destacando-se a escolaridade. É provável que melhor escolaridade possibilite melhores condições de vida e, conseqüentemente, impacto positivo na mortalidade precoce.
DESCRITORES: Doenças cardiovasculares, mortalidade. Fatores socioeconômicos. Fatores de risco. Desigualdades em saúde.

Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR

Já deu resultado a provocação do Romildo.
Havendo mais mensagens como a da Ines, podemos tentar consolidar depois o conjunto, com mais contribuições.

De: Ines Lessa [mailto:ines@lessa.org]
Enviada em: domingo, 20 de maio de 2007 19:39
Para: aloyzio.achutti@terra.com.br
Assunto: Re: [2350 - AMICOR10 - 20/05/2007]
Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR
Caros AMICOR,
Sem, refletir muito poderíamos pensar em muitos vieses. Como o Romildo muito bem colocou, o SUS não fornece hipolipemiantes a quase nenhum segmento da sociedade, excetuando-se para diabéticos , de modo parcial , em alguns estados ou nas capitais (será que fornece para todos os grupos de risco no S e SE?) ; não temos estatísticas que mostrem comportamento de fatores de risco, pois o maior estudo brasileiro do governo foi o do INCA e o diabetes e a HA foram auto-referidos. Ainda não dispomos de repetições para conhecer qualquer tendência.Fizemos um trabalho sobre validação das declarações de óbito para DIC, especialmente o IAM. Ainda não foi encaminhado para publicação, porém há muita superestimativa em 4 das 5 capitais estudadas (dois do NE, um Norte, um C-O ; a do Sudeste foi mesmo a melhor, com superestimativa bem mais reduzida. O trabalho também não fecha o Brasil, mas as suspeitas se confirmaram: Será que estão preenchendo melhor as DOs pelo Sul e Sudeste, excluindo-se diagnósticos fictícios ?? Será que essa prética se ampliou para o lado de cá (N e NE) por questões das dificuldades de acesso à assistência? Muitos dos óbitos por DIC assinalados como hospitalizados não correspondem à realidade!Pode-se questionar para o S e SE se os programas preventivos estão, de fato, funcionando (pode ser), e se tratamentos com melhor prognótico para pessoas hospitalizadas por DAC são também accessíveis à população SUS (!!) Podemos lembrar também que a maioria da população do S e SE tem planos de saúde, enquanto por cá é a minoria.Se os estudos para tendência de morbidade são tão caros, os estudos de avaliação dos programas de prevenção que estão por aí poderiam ser um dos caminhos para julgar reflexos sobre complicações cardiovasciulares, enquanto estudos amplos e mais detalhados sobre mortalidade hospitalar , poderiam ajudar a explicar essas possíveis mudanças da mortalidade, especialmente em Serviços SUS.Outras possibilidades ficam para reflexões mais complicadas, como a interferência do envelhecimento populacional e os denominadores das taxas de mortalidade no S e Se e nas demais regiões.
Ines Lessa

Use of administrative data or clinical databases as predictors of risk of death in hospital: comparison of models -- Aylin et al. 334 (7602): 1044 -- BMJ

Use of administrative data or clinical databases as predictors of risk of death in hospital: comparison of models -- Aylin et al. 334 (7602): 1044 -- BMJ
Paul Aylin, clinical senior lecturer1, Alex Bottle, lecturer1, Azeem Majeed, professor of primary care and social medicine2
1 Dr Foster Unit, Imperial College London, London EC1A 9LA, 2 Department of Primary Care and Social Medicine, Imperial College London
Correspondence to: P Aylin
p.aylin@imperial.ac.uk

Abstract:
Introduction:
MethodsResultsDiscussionConclusionsReferences
Objective: To compare risk prediction models for death in hospital based on an administrative database with published results based on data derived from three national clinical databases: the national cardiac surgical database, the national vascular database and the colorectal cancer study.
Design Analysis of inpatient hospital episode statistics. Predictive model developed using multiple logistic regression.
Setting NHS hospital trusts in England.
Patients All patients admitted to an NHS hospital within England for isolated coronary artery bypass graft (CABG), repair of abdominal aortic aneurysm, and colorectal excision for cancer from 1996-7 to 2003-4.
Main outcome measures Deaths in hospital. Performance of models assessed with receiver operating characteristic (ROC) curve scores measuring discrimination (<0.7=poor, 8="reasonable,">0.8=good) and both Hosmer-Lemeshow statistics and standardised residuals measuring goodness of fit.
Results: During the study period 152 523 cases of isolated CABG with 3247 deaths in hospital (2.1%), 12 781 repairs of ruptured abdominal aortic aneurysm (5987 deaths, 46.8%), 31 705 repairs of unruptured abdominal aortic aneurysm (3246 deaths, 10.2%), and 144 370 colorectal resections for cancer (10 424 deaths, 7.2%) were recorded. The power of the complex predictive model was comparable with that of models based on clinical datasets with ROC curve scores of 0.77 (v 0.78 from clinical database) for isolated CABG, 0.66 (v 0.65) and 0.74 (v 0.70) for repairs of ruptured and unruptured abdominal aortic aneurysm, respectively, and 0.80 (v 0.78) for colorectal excision for cancer. Calibration plots generally showed good agreement between observed and predicted mortality.
Conclusions Routinely collected administrative data can be used to predict risk with similar discrimination to clinical databases. The creative use of such data to adjust for case mix would be useful for monitoring healthcare performance and could usefully complement clinical databases. Further work on other procedures and diagnoses could result in a suite of models for performance adjusted for case mix for a range of specialties and procedures.
Conclusions: Routinely collected administrative data can be used to predict risk with similar discrimination to clinical databases. The creative use of such data to adjust for case mix would be useful for monitoring healthcare performance and could usefully complement clinical databases. Further work on other procedures and diagnoses could result in a suite of models for performance adjusted for case mix for a range of specialties and procedures.

Saturday, May 19, 2007

Tendências na Mortalidade regional por DCV no BR

Caríssimos AMICOR,
Já mais crescidinhos, com mais de dez anos poderíamos experimentar esta função potencial da comunicação eletrônica que é a de facilmente colocar em rede nosso potencial inteligente. Se ele já é bom isoladamente, interligado pode ser melhor do que a simples soma de cada um de nós.
Vamos lá! Segue abaixo mensagem recebida do Romildo Andrade, AMICOR fundador. Aguardo a reação de quem estiver disposto e tiver uma contribuição. Vamos ver no que vai dar.
Um abraço
AA
De: rldrade [mailto:rldrade@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 19 de maio de 2007 15:49
Para: aloyzio.achutti
Assunto: mortalidade dcv
Prezado Dr A. Achutti,
Ao longo da semana (mais precisamente na quinta-feira) forneci um entrevista no jornal local sobre a situação epidemiólógica das Doenças Cardiovasculares e seu comportamentento declinante da mortalidade no Brasil. Não entrei em detalhes sobre o comportamente ainda ascendente no Norte e Nordeste, estabilizado no Centro-oeste e declinante no Sul, e Sudeste.
A repercussão foi imediata. Recebi mensagens de colega questionando o assunto...
Querelas a parte!
Seria interessante discutir-mos quais os principais componentes responsáveis pelo comportamento declinante no pais...especialmente se considerarmos que não parece haver um declinio na prevalencia dos Fatores de risco para as DCV?
Os avanços terapeuticos com eficacia comprovada (ATC de resgate, trombolitico) ou estatinas para o controle dislipidêmico ...não são tratamentos disponíneis no SUS ou para amplas parcelas da população.
Seria interessante uma linha de debate que pudesse esclarecer o comportamento declinante da mortalidade especifica da doença cardiaca isquêmica junto a população brasileira.

Dr. Romildo Luiz M. Andrade
R. Missael Pedreira silva 48; sl:604
P. Súa, Vitória-ES. tel-fax:27-33243726
andrade@cardiol.br; rldrade@uol,com.br
http://socios.cardiol.br/visualizar.asp?pasta=andrade

Cardiac Rehabilitation/Secondary Prevention Programs:

Core Components of Cardiac Rehabilitation/Secondary Prevention Programs: 2007 Update. A Scientific Statement From the American Heart Association Exercise, Cardiac Rehabilitation, and Prevention Committee, the Council on Clinical Cardiology; the Councils on Cardiovascular Nursing, Epidemiology and Prevention, and Nutrition, Physical Activity, and Metabolism; and the American Association of Cardiovascular and Pulmonary Rehabilitation Gary J. Balady, Mark A. Williams, Philip A. Ades, Vera Bittner, Patricia Comoss, JoAnne M. Foody, Barry Franklin, Bonnie Sanderson, and Douglas Southard
Circulation published 18 May 2007, 10.1161/CIRCULATIONAHA.106.180945
http://circ.ahajournals.org/cgi/content/abstract/CIRCULATIONAHA.106.180945v1?papetoc

Thursday, May 17, 2007

RCP en Castellano

De: Saul Drajer [mailto:sdrajer@fibertel.com.ar]
Enviada em: quinta-feira, 17 de maio de 2007 09:30
Assunto: Video RCP Adultos en castellano

Estimados todos:

El grupo de RCP de la Washington University School of Medicine ha producido una serie de cortos videos de acceso y uso libres.
Bajé el de RCP en adultos, lo subtitulé en castellano y le agregué la música y letra de una marcha patríótica muy popular en los colegios de Argentina (Marcha de San Lorenzo) que aquí todo el mundo que haya pisado una escuela conoce y canta desde la infancia.
El clip se llama RCP Adultos en Castellano y está en Youtube.
Para acceder al mismo les adjunto un instructivo donde además se explica como copiar y bajar cualquier video de ese sitio.
Es una muestrita de lo que se puede hacer con material de acceso público por aquellos que aún no tengan convenio con AHA.
Sugiero que busquen en sus memorias locales, que alguna canción conocida con ritmo de alrededor de 100 beats por minuto podrán adaptar para marcar el tempo de compresión torácica.
Desaconsejo grabar la canción sobre material de AHA sin solicitar previa autorización.
Un abrazo

Saúl Drajer

1.- Abra Youtube (www.youtube.com)
2.- Arriba y a la derecha de la página mencionada hay un casillero vacío para hacer pedidos de lo que se busca.
3.- Escribir allí RCP Adultos en Castellano y entrarlo clicqueando en el botón “Search” ubicado a la derecha del casillero.
4.- Una vez bajada la página, se carga el video correspondiente . En el costado derecho de la nueva página, al lado de la pantalla en la que se puede ver el video, se observa el rótulo del mismo. Allí hay un campo llamado URL.
5.- Hacer clic con el botón izquierdo del mouse en URL e inmediatamente otro clic allí con el botón derecho. Aparecerá un menú con la palabra copiar habilitada.
6.- Clic en copiar con el botón izquierdo.
7.- Ir a la barra de herramientas de arriba de todo de la página y hacer clic en Favoritos con botón izquierdo. Se abrirá el listado de favoritos. Ubicarse con la flecha en Videos y cuando se abra a la derecha una ventana, hacer clic en vixy.net (El formato de Youtube no es copiable y para guardar algún video, debe convertírselo a formato compatible con la computadora). Se abrirá la página del conversor.
8.- En el campo URL de la nueva página hacer clic con botón derecho. Luego clic con botón izquierdo en la opción pegar.
9.- En la casilla Converts to elegir el formato de video deseado (se recomienda AVI for Windows).
10.- Clic en Start. Esperar que se complete la conversión.
11.- Finalizada ésta, aparecerá un comando llamado dowload converted archive.
Clic allí. Aparecerá la ventana del explorador que permite elegir en cual carpeta guardar el video convertido. Clicquear el lugar deseado y esperar que se complete la descarga.
12.- Desde ese archivo pueden grabar el video en un CD o en un DVD para difundirlo, mostrarlo, etc.
Si se quiere cambiar el nombre del video, hacerlo después que está guardado en la carpeta elegida.

Wednesday, May 16, 2007

AMICOR 10

Caros AMICOR, afinal chegamos aos 10 anos.
Agradeço a companhia de todos que motivaram, estimularam e apoiaram esta experiência de comunicação e amizade. Buscamos nos adaptar à vertiginosa mudança dos meios de comunicação e da conectividade dos usuários, bem como ao foco de interesse dos que buscam se comunicar, mas são necessárias novas e melhores adaptações.
Dos mais de trezentos endereços de nossa lista, 61 - cujos nomes seguem adiante - se manifestaram espontaneamente neste último mês. Destes, 14 estão conosco desde 1997.
Enviarei uma mensagem aos demais perguntando se desejam permanecer na lista, pois não me agrada pensar que as nossas possam ser vistas como mensagens não desejadas.
De qualquer maneira vou continuar com os BLOGs que são públicos e permanecerão abertos à visitação sempre que alguém desejar conhecer as referências selecionadas como relevantes ou compartilhar conosco.
A partir deste novo núcleo estaremos dispostos para acrescentar mais endereços (da lista anterior ou novos), que sempre serão bem vindos.

Alberto C. Duque, Alejandro Wajner, Ana Menezes, Blau Souza, Bruce B. Duncan, Carisi Polanczyk, Carlos Alberto Machado, Catherine Coleman, Cesar G Victora, Cláudia Caminha Escosteguy, Claudio A. Bandeira Medina, Darcy Lima, Denis Martinez, Eduardo A Costa, Effrem Maranhão, Emilio Moriguchi, Fernando Lucchese, Flavio Danni Fuchs, Gilberto Brodt, Gilson Feitosa, Glaucia M. Oliveira, Henry Greenberg, Ines Lessa, Isaac Roitman, Izabella Rohlfs, Jaqueline Scholz Issa, Jefferson Fernandes, João Carlos F. Braga, João Giongo, Jorge Ossanai, Kleber Gaspar, Juliana Nunes, Leopoldo Soares Piegas, Lucia Pellanda, Luciano Loos, Luis Paulo R. Melione, Luiz Scala, Margarita Diaz, Maria Inês Azambuja, Mario Becker, Mário F. C. Maranhão, Moacyr Saffer, Orlando C. B. Wender, Patrícia Pereira Ruschel, Paulo Cesar Jardim, Paulo Henkin, Paulo Opitz, Paulo Roberto Prates, Reginaldo Albuquerque, Romero Bezerra, Romildo Andrade, Rosa Maria Sampaio Vilanova de Carvalho, Salvador Serra, Sandra C. Fuchs, Sergio Luiz Bassanesi, Sergio V. Perrone, Silvia Maria Cury Ismael, Timóteo Leandro de Araújo, Telmo Bonamigo, Ueli Grüninger, Valderês Robinson Achutti.

Dear AMICOR, finally we arrived to the ten years old.
I wish to thank the company, motivation, stimulus and support to this communication and friendship experience. We tried to be adapted to the vertiginous evolution of the media and to the connectivity of the costomers, as well as to the interest focus of those looking for electronic communication, but new and better changes are still necessary.
From our list of more than 300 addresses, 61 – whose names are above – I received a message, 14 are in the list since 1997.
I will send a message to the rest asking about their interest in to stay in the list because I don’t like to be considered as an additional source of undesirable messages. Anywhere the AMICOR BLOGS will follow public and opened to anyone interested in the sellected references.
New addresses from the previous list or totally news will be welcome.
Thank you
AA

Sunday, May 13, 2007

Cordão Umbelical


Cordão umbilical
Aloyzio Achutti. (texto que escrevi em 1999)
(Em memória de Luiza Cechella Achutti, uma homenagem a todas as mães do mundo)
Em tempos quando a genética parece tudo explicar e, quem sabe resolver, no caminho do genoma humano, quando um dos cromossomas já se encontra totalmente mapeado, e as maravilhas da engenharia genética a cada dia que passa já se acumulam, poderia parecer que o papel da mãe fosse o de uma simples estação de troca, num processo em que tudo já viesse predeterminado.
Não é bem assim. O pesquisador inglês David J. P. Barker ensina ser o útero mais importante do que os genes, sugerindo que os destinos são traçados no caminho que vai do ventre ao colo materno.
Sabendo-se da enorme quantidade de genes disponíveis no momento da geração humana - a maior parte deles jamais utilizada - poder-se-ia dizer que, originalmente, nossa chance de sermos todos muito mais parecidos é muito maior. E que a grande diferenciação se faz pela seleção materna, através das circunstâncias nas quais se vive durante o período em que dela se é dependente, de sua nutrição alimentar e afetiva.
A escolha dos recursos genéticos que devem ser ativados ou preservados depende dela, não através de um processo racional e consciente, mas de códigos modulados pelas suas circunstâncias, comportamento e afetividade. Assim se explicam não somente os dotes de cada um, mas também fragilidades e também propensões para doenças.
O pai, em geral entra como contribuinte direto somente na formação do banco genético original, mas depois só indiretamente, na medida de sua influência sobre a mãe.
As teorias satisfazem na medida em que servem para explicar os fenômenos observados, ou para revelar as etapas ocultas dos processos já em andamento, mas a preocupação agora não se restringe à etiopatogenia da ateroesclerose, da cardiopatia isquêrnica, da hipertensão arterial ou da doença cerebro-vascular. Trata-se de pensar na mãe quando se a vai perdendo.
É como se enquanto presente, ela fosse a grande biblioteca na qual se pudesse a qualquer momento buscar nossas referências, mesmo não o fazendo. Agora queimada, só restam cinzas da memória. Do período crítico no qual ela exerceu sua função de matriz não se pode ter consciência, mas encontram-se arquétipos e bem definidas marcas, na cultura de todos os povos, respeitando a mãe, mesmo que não valorizando adequadamente a mulher.
Se a mãe está intimamente ligada à vida de cada indivíduo, está também necessariamente ligada à morte, por ser esta a estratégia básica de renovação e manutenção da vida da própria espécie. Quando ela morre fica bem claro que nossas referências pessoais são temporárias e estão definitivamente perdidas, garantindo a biodiversidade. O projeto da vida vai muito além dos limites da vida do indivíduo e só tem sentido quando integrado no grande projeto humano, de cujo início restam somente mitos, e o futuro se perde no curto horizonte da perspectiva.
É muito provável que ao perambular pelos frios corredores do mundo científico eu esteja evitando mostrar meu umbigo, sinal de uma ligação tão íntima, determinante de minha identidade e de meu caminho. Da ruptura do cordão umbilical restam apenas laços afetivos, além da cicatriz ridícula e que parece não ter sentido nenhum ...

Thursday, May 10, 2007

Seminário de Gramado 01-10 maio 1997

Hoje celebramos os dez anos do encerramento do Primeiro Seminário Nacional de dez dias sobre Epidemiologia e Prevenção das Doenças Cardiovasculares, do qual resultou a Declaração de Gramado e o início do Grupo AMICOR.

Participantes do Seminário.
(de alguns não tenho mais o endereço e-mail atualizado. Se souberem de alguém que não esteja mais em contato, agradeceria se lhe enviassem meu endereço para voltarmos a nos comunicar)
Aloyzio Achutti (ASRM/ISFC-RS); Annick Fontbonne (FM/UPE-PE); Bruce Duncan (FM/UFRGS-RS); Eduardo de Azeredo Costa (ENSP/FIOCRUZ-RJ); Jorge Pinto Ribeiro (FM/UFRGS-RS); Maria Inês Reinert Azambuja (FM/UFRGS-RS); Paulo A Lotufo (FM/USP-SP); Rosely Sichieri (UMS/VERJ – RJ); Sérgio Bassanesi (FM/UFRGS-RS); Teri Mnaniolo (NIH/USA – US); Ulrich Grueninger (FOPH/CH – CH); Woody Chambless (UNC/USA – US)

Adriana Costa e Forti UFC/SESA/CIDA - CE; Airton Stein GHC - RS; Ana Cláudia de Araújo Teixeira (UFC – CE); Armando Denegri Fo. (SMSPA/UFBA – RS); Carlos Eduardo F. Domingues (ENS/FIOCRUZ – RJ); Claudio A B Medina (SSMARS – RS); Dulce Pereira de Brito (USP – SP); Efrem Maranhão (SBC/ME/UFPE – PE); Eney Oliveira Fernandes (UFRJ/FUVETS - SC); Eni Fleck de Paula Pessoa (SESA/CIDM – CE; Fernando Silveira (UFRGS/HCPA - RS); Iseu Gus (IC/FUC/FFCMPA – RS); J.Claudia Zirpol (SSRE – PE); Jaime de Oliveria Gomes (NESP/P.PRUD. – SP); Joel Alves Lamounier (UFMG - MG); José Wellington Oliveira (FNS- CE); Karin Regina Luhm (UFPR/SMSCUR – PR); Lucia Pellanda (IC/FUC – RS); Luiz Carlos Seligman (SMSPA/GHC – RS); Luiz Paulo R Melione (SMSSJC/SABESP – SP); Marcia Regina Car (USP – SP); Maria Ângela B.Fernandes (SMSS/SANTOS – SP); Maria Conceição de Oliveira (FUA – AM); Maria da Consolação Magalhães (SMSJF – MG); Maria do Rocio P. de Oliveira (SPC – PR); Maria Lilian Maciel Canuto (SESA – CE); Mario Coutinho (UFSC – SC); Miguel Veses Cataluna (UCS – RS); Murilo Foppa (UFRGS – RS); Neidil Espinola da Costa (MS – DF); Paulo Xavier (UFPE – PE); Ricardo José Bins (SMSPA – RS); Ricardo Stein (UFRGS – RS); Robespierre Costa Ribeiro (UFMG/SMSBH – MG); Romildo L M de Andrade (SESA/SPEI – ES); Sérgio Roberto Haussen (UFRGS/FFCMPA – RS); Sérgio Rodrigues (SSSP – SP); Tales de Carvalho (UDESC – SC); Valderês Robinson Achutti (Atônoma - RS); Yona Afonso Francisco (INCOR – SP).

SBC:GEECABE - Grupo de Estudos de Epidemiologia e CArdiologia Baseada em Evidencias

http://socios.cardiol.br/noticias/grupos-estudo2007.asp
Caríssimos AMICOR,

Foi homologada a candidatura para para o Grupo de Estudos de Epidemiologia e Cardiologia Baseada em Evidências da SBC. Duas AMICOR farão parte da próxima diretoria e temos uma boa chance de desenvolver uma linha de trabalho de Epidemiologia com perspectiva de Saúde Pública e relacionada com a Determinação Social de Saúde/Doença, ampliando a perspectiva limitada da fenomenologia bio-médica.
Recomendaria a todos os interessados que se filiem ao Grupo de Estudos (informações disponíveis no link abaixo) e ratifiquem esta chapa nas próximas eleições.

SBC/DCC/GEECABE - 2008/2009
Gláucia Maria Moraes Oliveira, RJ - PRESIDENTE
Luís Cláudio Lemos Correia, BA - DIRETORIA ADMINISTRATIVA
Carisi Anne Polanckzik, RS - DIRETORIA FINANCEIRA
Álvaro Avezum Júnior, SP - DIRETORIA CIENTÍFICA

http://departamentos.cardiol.br/geecabe/

Wednesday, May 09, 2007

New Guidelines Issued for Intracerebral Hemorrhage - CME Teaching Brief® - MedPage Today

New Guidelines Issued for Intracerebral Hemorrhage -
"DALLAS, May 8 -- New evidence-based guidelines for treatment of intracerebral hemorrhage suggest reserving surgery for bleeds greater than 3 cm in deteriorating patients or when there is brainstem compression. Action Points

Explain to interested patients that intracerebral hemorrhage causes between 10% and 15% of first-ever strokes and has a 30-day mortality rate of between 35% and 52%.


Note that treatment options are increasing and explain that new guidelines published by the American Heart Association suggest how to employ existing choices.
The guidelines, published in the June issue of Stroke, Journal of the American Heart Association, also address, for the first time, end-of-life issues and do-not-resuscitate orders in hemorrhagic stroke. The guidelines suggest that DNR orders not be initiated within the first 24 hours after onset of a stroke.
The heart association's guidelines take into account advances in knowledge since 1999, when the first guidelines were issued, and look forward to new approaches in the next few years, according to Joseph Broderick, M.D., of the University of Cincinnati, who chaired the writing committee.
Intracerebral hemorrhage, which causes 10% to 15% of first-ever strokes, has a 30-day mortality rate of 35% to 52%, Dr. Broderick said. 'The time is right for updating the guidelines because there have been a number of published studies that may affect how we manage these very sick patients.' " /.../

Tuesday, May 08, 2007

Aspirin Dose

Aspirin Dose for the Prevention of Cardiovascular Disease

A Systematic Review

Charles L. Campbell, MD; Susan Smyth, MD, PhD; Gilles Montalescot, MD, PhD; Steven R. Steinhubl, MD

JAMA. 2007;297:2018-2024.

Context More than 50 million US adults take aspirin regularly for long-term prevention of cardiovascular disease, typically either 81 mg/d or 325 mg/d. Controversy remains regarding the most appropriate long-term daily dose.

Objective To review the mechanism of action of aspirin and the clinical literature for relationships among aspirin dosage, efficacy, and safety.

Evidence Acquisition A systematic review of the English-language literature was undertaken using MEDLINE and EMBASE (searched through February 2007) and the search term aspirin or acetylsalicylic acid and dose. The search was limited to clinical trials and was extended by a review of bibliographies of pertinent reports of original data and review articles. Published prospective studies using different aspirin dosages in the setting of cardiovascular disease were included.

Evidence Synthesis Although pharmacodynamic data demonstrate that long-term aspirin dosages as low as 30 mg/d are adequate to fully inhibit platelet thromboxane production, dosages as high as 1300 mg/d are approved for use. In the United States, 81 mg/d of aspirin is prescribed most commonly (60%), followed by 325 mg/d (35%). The available evidence, predominantly from secondary-prevention observational studies, supports that dosages greater than 75 to 81 mg/d do not enhance efficacy, whereas larger dosages are associated with an increased incidence of bleeding events, primarily related to gastrointestinal tract toxicity.

Conclusions Currently available clinical data do not support the routine, long-term use of aspirin dosages greater than 75 to 81 mg/d in the setting of cardiovascular disease prevention. Higher dosages, which may be commonly prescribed, do not better prevent events but are associated with increased risks of gastrointestinal bleeding.


Cost-Effectiveness of High-Dose Statin Therapy

Incremental Benefit and Cost-Effectiveness of High-Dose Statin Therapy in High-Risk Patients With Coronary Artery DiseasePaul S. Chan, MD, MSc; Brahmajee K. Nallamothu, MD, MPH; Hitinder S. Gurm, MD; Rodney A. Hayward, MD; Sandeep Vijan, MD, MSc
From the University of Michigan Department of Internal Medicine (P.S.C., B.K.N., H.S.G., R.A.H., S.V.), and Veterans Affairs Ann Arbor Health Services Research & Development Center of Excellence (P.S.C., B.K.N., R.A.H., S.V.), Ann Arbor, Mich.
Reprint requests to Paul Chan, MD, MSc, Veterans Affairs Ann Arbor Health Services Research & Development Center for Excellence, Cardiology (111-A),
2215 Fuller Rd, Ann Arbor, MI 48105. E-mail paulchan@umich.edu
Background— Recent clinical trials found that high-dose statin therapy, compared with conventional-dose statin therapy, reduces the risk of cardiovascular events in patients with acute coronary syndromes (ACS) and stable coronary artery disease (CAD). However, the actual benefit and cost-effectiveness of high-dose statin therapy are unknown.
Methods and Results— We designed a Markov model to compare daily high-dose with conventional-dose statin therapy for hypothetical 60-year-old cohorts with ACS and stable CAD over patient lifetime. Pooled estimates for major clinical end points (all-cause mortality, myocardial infarction, stroke, rehospitalization, and revascularization) from relevant clinical trials were incorporated. Incremental benefit was quantified as quality-adjusted life-years (QALYs). Threshold analyses determined at what price difference high-dose statins would yield incremental cost-effective ratios below $50 000, $100 000, and $150 000 per QALY gained. In ACS patients, a high-dose versus conventional-dose statin strategy resulted in a gain of 0.35 QALYs. In threshold analyses, a high-dose statin strategy consistently yielded incremental cost-effective ratios below $30 000 per QALY even under conservative model assumptions. In stable CAD patients, a high-dose statin strategy yielded a gain of only 0.10 QALYs and was sensitive to model assumptions about statin efficacy. The daily cost difference between a high- and conventional-dose statin would need to be <$1.70, $2.65, and $3.55 to yield incremental cost-effective ratios below $50 000, $100 000, and $150 000 per QALY.
Conclusions— High-dose statin therapy is potentially highly effective and cost-effective in patients with ACS. In patients with stable CAD, however, the cost-effectiveness of high-dose statin therapy is highly sensitive to model assumptions about statin efficacy and cost. Use of high-dose statins can be supported on health economic grounds in patients with ACS, but the case is less clear for patients with stable CAD.

Monday, May 07, 2007

Jornal da SBC: março-abril

O Jornal da SBC, em seu último número de março-abril, muito me honrou publicando uma entrevista na qual me classifica dentro de uma categoria dos "memoráveis" !?...
Agradeço a gentileza e a deferência, mas minha história foi construída junto com tantos colegas e amigos, cuja memória - embora impossível de enumerar - gostaria de trazer junto com a minha.

http://jornal.cardiol.br/2007/mar-abr/outras/memoraveis.pdf

Rosa Maria Sampaio Vilanova de Carvalho: AMICOR

De: Rosa Maria Sampaio Vilanova de Carvalho [mailto:rosa.sampaio@saude.gov.br]
Enviada em: terça-feira, 17 de abril de 2007 17:59
Para: Aloyzio Achutti; "Undisclosed-Recipient:;"Assunto:
RES: [2342 - AMICOR - 17/04/2007] http://www.bloglines.com/public/Achutti
Prezado professor Dr. Aloyzio Achutti
Em meu nome pessoal e desta Coordenação quero lhe parabenizar e agradecer a imensa colaboração que nos dá com o AMICOR e com sua sempre
cordial e competentíssima opinião e comentários sobre diversos temas. Uso e abuso de seu conhecimento. Você nunca se negou a contribuir e ajudar da maneira mais desprendida possível.
O AMICOR tem sido pra mim a melhor e mais atualizada fonte de informação e atualização DIÁRIA, o que é um luxo e um privilégio!
Com a dimensão de demandas e solicitações de das mais variadas no trabalho que exerço agora aqui no MS, me sobra muito pouco tempo para tão importante atividade de constante atualização; sendo assim, acompanho com muito interesse as discussões, comentários que essa rede proporciona e que muito me enriquece ; isso agradeço a você.
Raramente participo por diversos motivos, inclusive minha deficiência em redigir em inglês, mas tenho o maior interesse em continuar sendo participante, mesmo tímida, mas tenha certeza, muitíssimo atenta e interessada.
Um grande abraço e muito obrigada
Rosa

Rosa Sampaio
Coordenação Nacional de HA e DM
Departamento de Atenção Básica
Secretaria de Atenção à Saude
Ministerio da Saude

Lúcia Campos Pellanda: Seminário e Declaração de Gramado

De: Lucia Pellanda [mailto:lupellanda@uol.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 7 de maio de 2007 11:16
Para: Aloyzio Achutti
Assunto: Re: [2346 - AMICOR - 01/05/2007]
http://www.bloglines.com/public/Achutti
Caro dr Achutti
Um pouco atrasada, gostaria de dizer que tenho muito orgulho de ser uma AMICOR. Agradeço ao senhor e ao Bruce a oportunidade de ter participado do Seminário em Gramado. Sempre que encontro algum AMICOR espalhado pelo Brasil, a conversa acaba tomando o mesmo rumo: que incrível foi participar daquele evento de 10 dias intensos e produtivos, e quantos frutos ele gerou, graças à visão de vocês.
Apesar de tantas mudanças desde aquela época (a passagem do tempo está bem representada, no meu dia a dia, pela Marina, que aproveitou o seminário para brincar nos bosques em torno do Bavária e mal tinha começado a andar e agora já é uma moça!!!...), para mim, a Declaração de Gramado continua atual e extremamente relevante. Mas torço para que aconteça um novo seminário algum dia!!
um grande abraço e mais uma vez muito obrigada por ser esta força aglutinadora dos AMICOR, Lucia Campos Pellanda

Relative Risk: Ischemic Stroke is a Family Affair - CME Teaching Brief® - MedPage Today

AAN: Relative Risk: Ischemic Stroke is a Family Affair - CME Teaching Brief® - MedPage Today: "BOSTON, May 4 -- Siblings of middle-age stroke patients have nearly twice the risk of strokes themselves compared with the average American.

Explain to patients that previous studies have shown Mexican Americans to be at higher risk for stroke than non-Hispanic whites, and this population-based suggests that genetic, environmental, or cultural factors may play a part.

This study was published as an abstract and presented as a poster and orally in a briefing at a conference. These data and conclusions should be considered to be preliminary as they have not yet been reviewed and published in a peer-reviewed publication.
Among 807 brothers and sisters of 181 men and women who had strokes or TIAs before the age of 65, the relative risk for stroke was 1.92, compared with national stroke prevalence estimates, said Lynda D. Lisabeth, Ph.D., of the University of Michigan, and colleagues, at the American Academy of Neurology meeting here.
The risk for stroke among the siblings of stroke victims was particularly high among Mexican Americans in general, and Mexican-American men in particular in a community-based study, reported co-author Lewis B. Morgenstern, M.D., also of the University of Michigan in Ann Arbor.
'If we compare Mexican Americans to non-Hispanic whites, we find that the risk to the sibling is especially prominent in Mexican Americans, with over a doubling of the risk compared to the general population,' said Dr. Morgenstern. 'The risk is not as substantial in non-Hispanic whites as it is Mexican Americans.' "/.../

Physical Activity Resources for Health Professionals

Despite the clear health benefits of regular physical activity, over half of US adults do not engage in physical activity at levels consistent with public health recommendations.1 In the Healthy People 2010 national health objectives,2 physical activity is listed as a leading health indicator. Goals have been developed to improve levels of physical activity among adults, adolescents, and children.
Affecting physical activity behaviors requires understanding and approaching it not only from the individual level but also from a broader social ecological perspective. That is, understanding the individual’s relationship to his or her family, community, culture, and life stage. Understanding the determinants of physical activity becomes the cornerstone in setting policies, recommendations, and guidelines that better enable individuals and communities to engage in physical activity as part of a healthier lifestyle and helps to guide the development, implementation, and evaluation of interventions.
The Physical Activity Resources for Health Professionals section offers information and tools for personnel in state and local health departments, education agencies, universities, community coalitions, organizations that fund public health programs, health care systems, and others who have an interest in or responsibility for increasing physical activity. It provides key reference documents, data and surveillance resources, information to assist you with program planning and evaluation, and ideas for physical activity promotion.
1Prevalence of Physical Activity, Including Lifestyle Activities Among Adults — United States, 2000–2001, MMWR August 15, 2003, 52(32):764–769.
2U.S. Department of Health and Human Services. Healthy People 2010. 2nd ed. With Understanding and Improving Health and Objectives for Improving Health. 2 vols. Washington, DC: U.S. Government Printing Office, November 2000./.../

High-dose statins not cost-effective for all patients

High-dose statins not cost-effective for all patients
Research suggests that patients at lower risk of cardiovascular events might not get their money's worth from taking more of these medications.
By Victoria Stagg Elliott, AMNews staff. May 14, 2007.
Questions about the cost and benefit of high-dose statin regimens for patients with coronary disease have become a hot topic. A study published in the May 8 issue of Circulation takes on the issue, finding different answers depending on the severity of their illness.
"High doses in acute coronary syndrome patients should be the standard of care. It's not only effective. It's cost-effective. The use of high-dose statins in stable coronary artery disease patients is less clear," said Paul S. Chan, MD, lead author and a cardiovascular fellow at the University of Michigan Medical School in Ann Arbor./.../

Friday, May 04, 2007

Maria Inês Reinert Azambuja: Declaração de Gramado

De: Maria Inês Reinert Azambuja [mailto:miazambuja@terra.com.br]
Enviada em: sexta-feira, 4 de maio de 2007 13:23
Para: aloyzio.achutti@terra.com.br
Assunto: Re: ENC: Sobre Saúde e Prevenção das Doenças Cardiovasculares.
Dr. Achutti
O mesmo (sobre a mensagem do Timóteo) digo eu! Ontem estava vendo a grade de atividades do encontro de gramado e lá estava minha fala sobre infecção, no caso influenza, e mortalidade por doença isquêmica. Dez anos atrás! A disseminação desta hipótese no período foi extremamente difícil. Só agora consegui publicá-la internacionalmente em uma revista academicamente importante, e com potencial, então, de vê-la realmente discutida pela comunidade internacional.Quem participou em Gramado, em 1997, com certeza ouviu antes muitas coisas que nos anos seguintes se tornaram temas importantes na epidemiologia cardiovascular.
Um abraço,
Maria Inês

Timóteo Leandro de Araújo: Declaração de Gramado

De: Timóteo Leandro de Araújo [mailto:timoteo@celafiscs.org.br]
Enviada em: sexta-feira, 4 de maio de 2007 11:17
Para: Aloyzio Achutti 2006
Assunto: ENC: Sobre Saúde e Prevenção das Doenças Cardiovasculares.
Olá Dr Achutti.
Li o documento escrito em 1997 e confesso que fiquei impressionado com a atualização dele para o período. Palavras como Promoção da Atividade Física eram novidade. Nesse período estavamos preparando o Agita São Paulo e nós mesmos usamos inicialmente a palavra exercício e saúde.
Aproveito para deixar o meu parabéns por esses dez anos.
Um grande abraço
____________________________________________
Prof. Timóteo Araújo
Celafiscs - 4229-8980
Programa Agita São Paulo - 10 anos

Thursday, May 03, 2007

WHO launches 'Nine patient safety solutions'

WHO WHO launches 'Nine patient safety solutions':
"WHO launches 'Nine patient safety solutions'
Solutions to prevent health care-related harm
2 MAY 2007 WASHINGTON/GENEVA -- WHO is today launching 'Nine patient safety solutions' to help reduce the toll of health care-related harm affecting millions of patients worldwide.
'Recognizing that health care errors affect one in every 10 patients around the world, the WHO's World Alliance for Patient Safety and the Collaborating Centre have packaged nine effective solutions to reduce such errors,' said WHO Director-General Dr Margaret Chan. 'Implementing these solutions is a way to improve patient safety.'
The most important knowledge in the field of patient safety is how to prevent harm from happening to patients during treatment and care. The nine solutions are based on interventions and actions that have reduced problems related to patient safety in some countries.
Sir Liam Donaldson, Chair of the Alliance and Chief Medical Officer for England, said: 'Patient safety is now recognized as a priority by health systems around the world. The Patient Safety Solutions programme of work is addressing several vital areas of risk to patients. Clear and succinct actions contained in the nine solutions have proved to be useful in reducing the unacceptably high numbers of medical injuries around the world.'"/.../

NIH-Funding Opportunity

Department of Health and Human Services Participating Organizations National Institutes of Health (NIH) (http://www.nih.gov) Components of Participating Organizations Fogarty International Center (FIC) (http://www.fic.nih.gov)National Cancer Institute (NCI) ( http://www.cancer.gov) National Institute of Environmental Health Sciences (NIEHS) ( http://www.niehs.nih.gov) National Institute of Neurological Disorders and Stroke (NINDS) ( http://www.ninds.nih.gov) National Institute of Biomedical Imaging and Bioengineering (NIBIB) ( http://www.nibib.nih.gov) Title: Framework Programs for Global Health (R25) Announcement Type This is a revision of PAR-06-067, which was released on November 10, 2005.
NOTICE: Applications submitted in response to this Funding Opportunity Announcement (FOA) for Federal assistance must be submitted electronically through Grants.gov (http://www.grants.gov) using the SF424 Research and Related (R&R) forms and the SF424 (R&R) Application Guide.
APPLICATIONS MAY NOT BE SUBMITTED IN PAPER FORMAT.
This FOA must be read in conjunction with the application guidelines included with this announcement in Grants.gov/Apply for Grants (hereafter called Grants.gov/Apply).
A registration process is necessary before submission and applicants are highly encouraged to start the process at least four weeks prior to the grant submission date. See Section IV.

Wednesday, May 02, 2007

Associação Paulista de Assistência ao Hipertenso

De: Carlos Alberto Machado [mailto:carlos.a.machado@uol.com.br]
Enviada em: terça-feira, 1 de maio de 2007 17:51
Prezado(a)s

Esta é a "homepage" da Associação Paulista de Assistência ao Hipertenso, endereço:
http://www.apah.org.br/default.asp?resolucao=800X600
Por favor, entrem, critiquem e façam sugestões.
Antecipadamente obrigado.
Forte abraço
Carlos

A Associação Paulista de Assistência ao Hipertenso – APAH nasceu em 26 de abril de 1994, do trabalho multiprofissional realizado ao longo de quatro anos na UBS Jd. São Francisco e PAM Belém, onde se detectou a necessidade de que os pacientes atendidos tivessem maior conhecimento sobre a doença que os acomete, sobre o tratamento realizado, sobre as implicações da não adesão ao tratamento e quais os fatores que estariam interferindo na qualidade do mesmo. Em conseqüência das observações realizadas durante esses anos, verificou-se que o desabastecimento da rede pública, aliado ao alto custo dos medicamentos e á constatação do baixo nível de conhecimento da população em geral sobre a hipertensão arterial e os demais fatores de risco para doenças cardiovasculares, vinha causando dificuldades á eficácia do tratamento, levou a necessidade de se buscar uma nova proposta para os problemas enfrentados pela população hipertensa.Com esse intuito, foi fundada a Associação Paulista de Assistência ao Hipertenso, entidade civil, sem fins lucrativos, com diretoria eleita e composta por pacientes e membros da equipe de saúde da NGA-8 PAM Belém (SUS-SP).

Tuesday, May 01, 2007

GRAMADO DECLARATION

[2346 - AMICOR - 01/05/2007] http://www.bloglines.com/public/Achutti
Caríssimos AMICOR
Hoje (primeiro de maio) há dez anos iniciávamos o Seminário Nacional de dez dias sobre Epidemiologia e Prevenção das Doenças Cardiovasculares, coordenado pelo Bruce Duncan e por mim, do qual se originou a Declaração de Gramado cujo texto em português pode ser acessado no endereço abaixo no Portal da SBC:
http://www.cardiol.br/funcor/epide/gramado.htm
e em inglês no endereço do ProCOR abaixo:
http://www.procor.org/story.asp?section=S125&sitecode=procor&storyid=Web611137234procor1217021180&pn=1&parentsec=S124
Proponho a quem estiver diposto a reler a Declaração e fazer seus comentários com relação à sua atualidade, possível atualização, e eventuais correções. Os resultados colocarei no Blog.
Outras publicações feitas no Blog AMICOR podem ser acessados no seu endereço: http://amicor.blogspot.com/
bem como dos outros blogs cujos links estão no menu da direita.
Agradeço aqueles que se manifestaram mostrando interesse em continuar na lista AMICOR e continuarei recebendo manifestações dos demais até dia 17 quando farei uma pergunta formal se desejam ou não continuar na lista.
Dear AMICOR,

Today (First of May) ten days ago we were starting the Ten Days National Seminar on Epidemiology and Prevention of Cardiovascular Diseases, coordinated by Bruce Duncan and me, originating the Gramado Declaration whose text in Portuguese may be accessed in the below SBC Portal address:
http://www.cardiol.br/funcor/epide/gramado.htm
and in English in the ProCOR address:
http://www.procor.org/story.asp?section=S125&sitecode=procor&storyid=Web611137234procor1217021180&pn=1&parentsec=S124
I suggest to whom be interested in to review the Declaration and make commentaries related with its actuality, possible updating and corrections. The results I will publish in the Blog.
Other publications meanwhile made in the blog may be accessed in its address: http://amicor.blogspot.com/
as well a from other blogs with links in the right menu.
I wish to thank again to those manifesting their interest in to follow AMICOR and I will be prompt to receive manifestations from the others until May 17, when I will do a formal inqury on the matter.

Physician Medical Wiki - Ask Dr Wiki

Physician Medical Wiki - Ask Dr Wiki

Welcome to AskDrWiki.com where you can publish your clinical notes, pearls, EKGs, X-ray Images, and Coronary Angiograms and Venograms on our site. Using our wiki anyone with a medical background can contribute or edit medical articles. Our Main focus has been on Cardiology and Electrophysiology but if you would like to join our community and help us expand you can read over the Help Section to learn how to operate the wiki.
Medicine Specialties Cardiology Dermatology Electrophysiology Vascular Medicine Pharmacology Women's Health
Surgical Specialties Vascular Surgery
Images EKG X-ray Coronary Angiograms Peripheral Angiograms Structural Angiograms Searchable Angiograms Echocardiograms
Tutorials EKG Tutorial Coronary Angiography Tutorial Ventriculography Tutorial

[edit] Categories That Need to Be Started
We have made Ask Dr Wiki the authoritive medical wiki on cardiology and cardiovascular subspecialites. Now we need your help. If you would like to be a Specialty Editor or contribute to the wiki categories below we can help you get started.
Medicine SpecialtiesEndocrinology Gastroenterology Hematology Infectious Disease Musculoskeletal and Connective Tissue Nephrology Oncology Pulmonary Rheumatology
Surgical SpecialtiesGeneral Surgery Cardiothoracic Surgery Neurosurgery Otolaryngology (ENT) Pediatric Surgery Plastic Surgery Trauma and Orthopaedic Surgery Urology Oral and Maxillofacial Surgery
Other SpecialtiesAnesthesia Biomedical Informatics Emergency Medicine Neurology Psychiatry Occupational and Environmental Medicine

[edit] Help Getting Started
Help Topics Help Section How to Search How to Create an Article Add a AskDrWiki Firefox Search Plugin
Help Videos Watch a Video to Learn How to Write an ArticleNew

Mast Cells Promote Atherogenesis

Perivascular Mast Cells Promote Atherogenesis and Induce Plaque Destabilization in Apolipoprotein E-Deficient Mice Ilze Bot PhD*, Saskia C.A. de Jager BSc, Alma Zernecke MD, PhD, Ken A. Lindstedt PhD, Theo J.C. van Berkel PhD, Christian Weber MD, PhD, and Erik A.L. Biessen PhD
From the Division of Biopharmaceutics (I.B., S.C.A.d.J., T.J.C.v.B., E.A.L.B.), Leiden/Amsterdam Center for Drug Research, Gorlaeus Laboratories, Leiden University, Leiden, the Netherlands; Institute of Molecular Cardiovascular Research (A.Z., C.W.), University Hospital, Rheinisch-Westfälische Technische Hochschule, Aachen, Germany; Wihuri Research Institute (K.A.L.), Helsinki, Finland.
* To whom correspondence should be addressed. E-mail:
i.bot@lacdr.leidenuniv.nl

.
Background--Mast cells are major effector cells in allergy and host defense responses. Their increased number and state of activation in perivascular tissue during atherosclerosis may point to a role in cardiovascular disorders. In the present study, we investigated the contribution of perivascular mast cells to atherogenesis and plaque stability in apolipoprotein E-deficient mice.
Methods and Results--We show here that episodes of systemic mast cell activation during plaque progression in mice leads to robust plaque expansion. Targeted activation of perivascular mast cells in advanced plaques sharply increases the incidence of intraplaque hemorrhage, macrophage apoptosis, vascular leakage, and CXCR2/VLA-4-mediated recruitment of leukocytes to the plaque. Importantly, treatment with the mast cell stabilizer cromolyn does prevent all the adverse phenomena elicited by mast cell activation.
Conclusions--This is the first study to demonstrate that mast cells play a crucial role in plaque progression and destabilization in vivo. We propose that mast cell stabilization could be a new therapeutic approach to the prevention of acute coronary syndromes.